IPOP - Planejamento de Operações Agrícolas - iLab Sistemas Especialistas

Buscar
Go to content

Main menu

IPOP - Planejamento de Operações Agrícolas

Produtos

O sistema IPOP visa elaborar o plano ótimo de alocação de recursos para execução das operações agrícolas de campo no horizonte de tempo de um ano. Para isso, considera os índices de desempenho e aproveitamento operacional de máquinas e turmas de trabalho para o atendimento das demandas operacionais mapeadas para os talhões. Trabalha com os conceitos organizacionais de processos, grupos e operações, definindo roteiros padronizados de operações - que podem entretanto ser customizados localmente para cada área - que são cruzados com informações de custos operacionais (fixos e variáveis) para geração do plano ideal de operações.

Esse plano gerado corresponde à indicação do momento de execução de cada operação em cada área, atrelado à alocação do equipamento e mão-de-obra necessária para execução da operação. Isso considerando as limitações de recursos atualmente existentes na empresa, e com a  possibilidade de novas aquisições e/ou contratação de prestadores de serviço. Integra-se ao sistema de colheita, de forma que o "scheduling" de todas as operações subseqüentes ao corte da cana seja gerado de maneira otimizada e servindo de base para a gestão operacional de ordens de serviço (OS), projeção e controle de orçamento, e acompanhamento dos custos gerenciais da empresa.

Funcionamento da Aplicação

Inicialmente, o sistema deve ser preparado com a estruturação de atividades a serem executadas no campo. Essas atividades devem ser organizadas em uma hierarquia que orienta o processo de planejamento.

  • Processos: estrutura superior de organização de atividades

  • Grupos: conjunto de atividades que compartilham recursos

  • Operações: atividade a ser executada


Exemplos dessa organização hierárquica:

  • Processo: Preparo de Solo

  • Grupo: Subsolagem

  • Operações: Aração, Grade Aradora, Grade Niveladora, Erradicação Química, etc...

Com as operações organizadas em processos e grupos, passamos ao mapeamento de recursos para execução das atividades. Os recursos podem ser mecanizados ou manuais, sendo que cada um deles deve ser descrito em termos de índices de desempenho médios para execução de cada atividade. Por exemplo, um determinado trator, que pode ser usado em uma ou mais operações, deve ser configurado com o rendimento que possui na execução de cada uma dessas operações, dado, via-de-regra em um valor em hectares/hora. Adicionalmente a esse rendimento, descreve-se qual o percentual de aproveitamento de tempo em cada época do ano para execução da operação, além de outros fatores, como custos operacionais, custos e dimensionamento de mão-de-obra (operadores), entre outros.

Outras informações complementares são também configuradas no problema, como por exemplo, as possíveis configurações de regimes de trabalho e número de turnos por dia que podem ser usadas para programação de um grupo de operações. Com base nesses fatores, o modelo de otimização dimensiona qual a quantidade ideal de turnos de trabalho necessários para a execução das atividades. Além disso, há a possibilidade de habilitar a contratação de prestadores de serviços mediante a configuração de seus custos contratuais e rendimentos esperados, possibilitando ao sistema tomar a decisão entre alocação de recursos próprios da empresa, ou contratação desses terceiros.

Finalizando, o sistema é alimentado com a demanda de cada operação, que pode vir em termos dos volumes totais de área demandadas para cada operação, ou mesmo o detalhamento, talhão a talhão, de quais operações devem ser executadas em cada área.

Esses dados de capacidades e rendimentos de recursos, e custos associados às operações, entre outros, são alimentados em um modelo de otimização que gera a alocação ideal das quantidades de recursos e prestadores de serviço em cada grupo de operações de forma a minimizar o custo total das operações agrícolas, e atender a toda a demanda informada. A alocação, além de definir quantos equipamentos serão necessários, a cada mês do ano, para execução de cada atividade, também projeta o custo operacional variável e o custo fixo da mão-de-obra a ser contratada, que corresponde basicamente aos operadores das máquinas alocadas. Esses dados otimizados servem de base para o planejamento operacional das atividades de campo para o período de um ano, com sua correspondente projeção orçamentária para a empresa.

Resultados obtidos

O sistema IPOP possibilita a obtenção dos seguintes resultados com sua utilização:

  • Programação de alocação de recursos aos grupos de operação

  • Definição da quantidade ideal de turnos de trabalho para os grupos de operação

  • Dimensionamento da necessidade de aquisição de recursos extras

  • Alocação de capacidade de terceiros (prestadores de serviço)

  • Programação de atendimento de demandas operacionais

  • Projeção orçamentária e de custos gerenciais para as operações de campo

  • Integração com sistema de geração de ordens de serviço

  • Gestão de acompanhamento de execução de operações

  • Geração e acompanhamento de orçamento agrícola

  • Comparação e análise de ganhos entre cenários com diferentes estratégias

 
Back to content | Back to main menu